Tecnologia 02 novembro 2016
A maioria dos participantes são engenheiros mecânicos | Foto: NASA Jet Propulsion Laboratory/Flickr

O resultado é surpreendente, dinâmico e, por vezes, assustador. Vê o vídeo!

Já começa a ser uma tradição de Halloween do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA: todos os anos, os engenheiros que ali trabalham, interrompem o seu trabalho de desenvolvimento e monitorização de sondas espaciais, para participar num concurso de escultura de abóboras.

Eles, que passam a vida de olho noutros planetas, não se saem nada mal nesta tradição de Halloween, levada muito a sério nos Estados Unidos.

Só não lhes peçam para transformar as abóboras, esculpindo-as apenas... Isso, para eles, é pouco.

Muitos dos participantes são engenheiros mecânicos e divertem-se a incorporar tecnologia nas simples abóboras que, no final, parecem vindas de outro planeta.

Este ano, houve abóboras transformadas em ovnis, em carrosséis e em 'pac-man', foi recriada a sonda espacial Juno a orbitar Júpiter, fez-se de uma abóbora um bolo de aniversário para celebrar os 80 anos do Laboratório de Propulsão a Jato, cumpridos ontem, dia 1 de novembro (a NASA é bem mais nova, tem apenas 58 anos). 

Apesar do universo espacial ter dominado o concurso, os engenheiros da NASA mostraram que têm os pés assentes na Terra. Uma das equipas pôs a cara de Hillary Clinton e Donald Trump nas abóboras.

Houve até piadas espaciais, do género " As amostras de Marte são como uma caixa de chocolates: nunca se sabe o que se vai encontrar".

Há seis anos que esta competição acontece, com regras simples: os engenheiros têm, apenas, uma hora para trabalhar a sua abóbora.

No dia anterior, porém, têm direito a escolher a abóbora que vão transformar, para poderem, por exemplo, projetar o que aqui vemos de acordo com as medidas da abóbora.

e-max.it: your social media marketing partner
Escrito por Jornalissimo
Voltar