Rapamicina: não são só os humanos que tentam combater o envelhecimento

Na Universidade de Washington trabalha-se para dar uns anos de vida extra aos nossos amigos de quatro patas.

Quem tem cães, sofre com o passar do tempo: sabe que os companheiros canídeos não vão acompanhá-lo durante toda a vida.

Da Universidade de Washington chegam, no entanto, notícias animadoras. Uma equipa de investigação vai partir das últimas descobertas no campo da pesquisa anti idade, para tentar que os cães aumentem o seu tempo de vida.

“Não se trata de duplicar a esperança de vida”, explicou Mathew Kaeberlein, especialista em biologia molecular ao jornal Seattle Times, “trata-se de conseguir aumentar em cerca de 10-15% o tempo de vida deles”.

UM ‘STOP’ À MTOR

A substância com que esperam alcançar esses resultados já deu provas de sucesso em ratos e é utilizada em humanos, mas com outros fins. A rapamicina serve para evitar a rejeição de novos órgãos pelo organismo em caso de transplante.

A substância tem a capacidade de inibir a proteína responsável pelo crescimento celular, a mTor, tornando o processo de envelhecimento mais lento (foto abaixo, da enzymlogic.com).

Os investigadores vão estudar 30 cães de meia-idade e idade avançada. A uns será dada uma pequena dose da substância, a outros apenas um placebo. A observação consistirá em ver se o medicamento provoca efeitos secundários e se a rapamicina ajuda os cães a melhorar as funções cardíacas e consegue atrasar o desenvolvimento de doenças cancerígenas.

COBAIAS PROCURAM-SE

O maior desafio é encontrar interessados em financiar o projeto, já que a indústria farmacêutica não parece estar muito para aí virada. A esperança dos investigadores reside nas marcas de alimentação canina.

Qualquer pessoa pode fazer uma doação no site do Dog Aging Project, onde há mais pormenores sobre a investigação.

Para a segunda fase deste trabalho, os cientistas estão também à procura de donos que queiram sujeitar os seus animais ao estudo.

Já fazer testes para prolongar a vida aos donos dos cães é mais complicado: o processo é complexo e muito demorado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *