Por que vai o Reino Unido referendar a permanência na UE?

O que defende quem está a favor e contra o ‘Brexit’? O que acontece se o Reino Unido ficar? E se sair?

A questão da permanência do Reino Unido na União Europeia (UE) não é de ontem. Começou já em 2013, quando David Cameron estava em campanha eleitoral para continuar a ocupar o cargo de Primeiro-Ministro, pelo Partido Conservador.

Se ganhasse as eleições de 2015 – prometeu Cameron -, levaria a questão da continuidade do Reino Unido (que nunca aderiu ao euro nem ao Espaço Schengen) na UE a referendo, deixando os britânicos decidir.

A decisão vai ser tomada no próximo dia 23 de junho e as sondagens realizadas até ao momento mostram que os eleitores estão divididos quanto ao processo batizado por “Brexit” (junção das palavras ‘british’ e ‘exit’).

CAMERON PELO SIM

Cameron lançou a questão, mas já se sabe que quer que o Reino Unido fique depois de, em fevereiro, ter chegado a acordo com a UE para que o seu país beneficie de um “estatuto especial”, caso os britânicos se pronunciem pela permanência.

Entre as principais conquistas de Cameron neste acordo estão:

– A redução de direitos concedidos aos imigrantes (passarão a ter de esperar sete anos para obterem os mesmos benefícios sociais dos britânicos);

– O direito a adiar políticas económicas da zona euro, caso as considere prejudiciais à economia do seu país.

O outro grande partido do Reino Unido, o Partido Trabalhista (mais à esquerda; o Partido Conservador, de Cameron, situa-se mais à direita) apoia também a permanência na UE.

A fazer campanha pela saída está o UKIP, o Partido da Independência do Reino Unido.

ARGUMENTOS A FAVOR E CONTRA O ‘BREXIT’

Aqueles que defendem que o Reino Unido continue a pertencer à UE argumentam, por exemplo, que:

– É mais fácil o comércio com os restantes países-membros, o que se traduz numa economia mais forte;

– O país está mais seguro e tem mais força pertencendo à União;

– Veem o fluxo de imigrantes como um fator positivo para a economia britânica, considerando que ajudam ao crescimento do país.

Pelo contrário, os que fazem campanha pela saída, dizem que:

– O país paga muito para estar na UE – muito mais do que aquilo que recebe em troca;

– Consideram que as regras impostas pela UE travam o crescimento económico;

– Querem estabelecer limites para a entrada de imigrantes de outros países europeus no Reino Unido. 

E SE O REINO UNIDO DECIDE SAIR DA UE?

É difícil adivinhar o efeito que a saída dos britânicos da União poderia significar, mas muitos receiam que um eventual ‘Brexit’ tenha efeitos catastróficos, como estes:

– Por se tratar de uma grande potência europeia, teme-se um impacto negativo tanto na economia britânica, como europeia.

– Outro receio prende-se com um “efeito dominó”, que poderia levar outros países a quererem abandonar, também, a UE.

A 23 de junho, apenas os britânicos irão votar, mas todos os europeus estarão atentos ao resultado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *