Interior da fábrica – oficina da costura, Fábrica de material de guerra, Lisboa, Portugal | Fotografia de Estúdio Mário Novais, sem data. Arquivo da Gulbenkian

Mulheres e trabalho: uma história de invisibilidade

A experiência feminina esteve quase sempre ausente da análise histórica tradicional. E as mulheres operárias não foram exceção.

Ler Mais
Maria Lamas discursando num comício em Lisboa aquando da candidatura de Norton de Matos às eleições presidenciais. 10 de fevereiro de 1949. Fundação Mário Soares e Maria Barroso.

Operárias ou intelectuais, as mulheres também combateram o Estado Novo

Ao longo de mais de 40 anos de ditadura, as mulheres portuguesas constituíram uma força fundamental de oposição e resistência ao Estado Novo.

Ler Mais
O grupo com o qual Pedro realizou o trabalho sobre Humberto Delgado e as Eleições Presidenciais de 1958, reunido na Biblioteca Municipal de Setúbal em janeiro de 2019.

“Trouxe do Secundário o espírito de querer saber e fazer mais”

Pedro conta como ter-se “cruzado” com Humberto Delgado no 12º ano e ter participado em muitos projetos marcou o seu percurso.

Ler Mais
O investigador do Laboratório História, Territórios e Comuunidades junto ao destroço do SS Dago | Foto: Armando Ribeiro

As águas portuguesas e as histórias escondidas das duas guerras mundiais

A neutralidade mantida por Portugal na segunda grande guerra não evitou ataques. Atingido por um avião alemão, o cargueiro SS Dago, naufragado perto de Peniche, é disso exemplo.

Ler Mais
Alfredo Cunha (1974), "A Revolução dos Cravos: a PSP coloca-se à disposição da Escola Prática de Cavalaria", Fundação Mário Soares/Alfredo Cunha

A oposição ao regime em vésperas do 25 de Abril: a “aurora” de um golpe de Estado

Apesar da maior constância da sociedade civil na luta contra o Estado Novo, acabaria por ser a classe militar a libertar o país de uma ditadura com 48 anos.

Ler Mais
Violeta d' Aguiar quando tinha 18 anos, a apresentar a sua investigação sobre os espiões em Lisboa na II Guerra Mundial

“Tenho uma paixão pela forma como podemos pensar o passado”

Violeta d’Aguiar fez a sua primeira investigação histórica no 12º ano. Hoje está a fazer o doutoramento na área. Eis o relato na primeira pessoa do percurso até aqui.

Ler Mais