Se te dessem a escolher entre 20 euros agora ou 50 no fim do mês, o que preferias?

Se optaste pelos 20, provavelmente és teenager. Um estudo científico revela por que o teu cérebro te expõe a perigos vários.

A conclusão parece óbvia: o cérebro dos adolescentes leva-os a serem mais dominados pelos impulsos, pelas emoções, pela busca imediata de satisfação.

Dirás que não é preciso ser cientista para saber que é assim. Mas, pensando bem, há muitas questões a colocar sobre esta evidência. Nomeadamente sobre as razões que fazem deste um comportamento tipicamente juvenil.

Senão vejamos: os jovens são impulsivos e impacientes por causa das hormonas? Ou será que esse comportamento é motivado pela falta de experiência de vida? Ou, ainda, estará esta tendência relacionada com a atividade cerebral?

Cientista que é cientista coloca mil e uma questões.

O SEGREDO ESTÁ… NO CÉREBRO

Foi isso que fizeram investigadores do Instituto Max Plank de Desenvolvimento Humano de Berlim e chegaram a resultados interessantes.

Num estudo publicado na revista ‘Proceedings of National Academy of Sciences’ mostraram que o segredo está realmente no cérebro.

Antes, ainda assim, fizeram um teste para comprovarem que essa tendência juvenil para privilegiar o impulso à ponderação era um facto.

PRESENTE OU FUTURO? PRESENTE

Perguntaram a 50 crianças e jovens, com idades entre os oito e os 25 anos, se preferiam receber vinte euros naquele momento ou esperar pelo fim do mês (longínquo) e receber 50 euros.

As respostas não surpreenderam: a satisfação imediata levou a melhor, tendo a maioria optado pelo dinheiro na hora.

Seguiu-se, então, a análise para chegar a explicações científicas: recorrendo a imagens de ressonância magnética, os investigadores avaliaram a atividade e conexão entre as regiões cerebrais envolvidas nos processos de tomada de decisão.

Fixa estes dois “palavrões”: córtex pré-frontal dorsolateral e ‘striatum’ (ou corpo estriado). Foi nestas duas regiões que os cientistas se focaram – a primeira é responsável pelos planos para o futuro, a segunda avalia e antecipa as recompensas imediatas de uma determinada decisão.

EMOÇÃO 1, RAZÃO 0

A investigação permitiu aos cientistas notar que, nos adolescentes, a influência do córtex pré-frontal dorsolateral é limitada, por ele ainda não estar totalmente desenvolvido (algo que só acontece entre os 20 e os 25 anos). Por esta razão, eles são levados a optar pela satisfação imediata, ainda que essa possa não ser a melhor opção.

Há vários estudos científicos sobre o comportamento dos adolescentes. Muitos chegam a resultados coincidentes.

Um investigador conhecido nesta área, o psicólogo Laurence Steinberg, nota que os teenagers correm riscos quando estão perante situações nas quais o potencial de prazer é elevado – como terem relações sexuais desprotegidas, experimentarem álcool ou drogas, entrarem num carro conduzido por alguém que está ébrio.

Citado pelo jornal ‘Philly.com’, Steinberg sublinha que a tendência para esses comportamentos é maior, ainda, quando os adolescentes estão acompanhados por amigos.

PENSASTE? ENTÃO PENSA OUTRA VEZ…

Um neurocientista chamado B.J. Casey diz que esta tendência para a impulsividade (que conduz a riscos), por parte dos jovens, acontece independentemente da inteligência ou dos resultados escolares.

Também para este investigador, tal como para os autores do estudo que te apresentámos, a questão reside na relação entre razão e emoção que se opera a nível cerebral: nestas idades, “o córtex pré-frontal é sequestrado pelos centros emocionais”.

Outro ponto em que todos os autores estão de acordo é este: se conseguirem resistir aos impulsos e pensar, os adolescentes são tão capazes de tomar decisões acertadas como um adulto. Isto apesar dos cérebros de miúdos e graúdos funcionarem de modo comprovadamente diferente.

Moral da história: da próxima vez que estiveres a tomar uma decisão levado pela satisfação imediata lembra-te deste artigo e… pensa duas vezes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *