Um “olho” gigante para detetar vida extraterrestre e muito mais

O maior telescópio do mundo é chinês e tem uma área equivalente a 30 campos de futebol.

A China está determinada a alcançar os Estados Unidos na corrida pelo lugar de superpotência científica mundial. E não poupa esforços para o conseguir.

O último grande investimento chinês é este equipamento que “rapidamente” podemos designar por FAST, as iniciais de ‘Five-hundred-meter Aperture Spherical Telescope’.

O FAST tem 500 metros de diâmetro (uma área equivalente a 30 campos de futebol) e, para o construir, foi preciso deslocar cerca de 10 mil pessoas que viviam num raio de cinco quilómetros do telescópio gigante – é necessário silêncio absoluto no entorno, um simples telemóvel poderia interferir com o funcionamento do FAST.

Entre a construção do mega instrumento e os custos de realojamento dos habitantes da zona, a China terá gasto uma quantia próxima dos 400 milhões de euros. Mas dinheiro, já se sabe, não é um problema para a segunda economia mundial.

 

O investimento é realmente astronómico. Não só pela quantia investida, mas pelo que este instrumento pode significar em termos de descobertas espaciais.

Coberto por 4450 refletores ultrassensíveis, o FAST deverá ser capaz de captar ondas radio provenientes de estrelas e galáxias remotas, situadas a vários anos-luz de distância. Variações mínimas de frequência não deverão passar despercebidas a este radiotelescópio situado na província de Guizhou, no sudoeste da China, que deverá atrair astrónomos de todo o mundo.

 

O FAST tem um campo de visão quase duas vezes maior do que o do Observatório Arecibo, de Porto Rico, que deteve o título de maior do mundo nos últimos 53 anos.

As expetativas da comunidade científica para o FAST são tão grandes como ele – espera-se que ajude a desvendar um pouco mais sobre as origens e a história do universo.

 

A China garante que este gigante tecnológico, ao ver mais longe e ao ser capaz de detetar mais exoplanetas do que os telescópios atuais, “tem 5 a 10 vezes mais potencialidades do que eles de descobrir uma civilização extraterrestre”, nas palavras de Peng Bo, diretor do Laboratório de Tecnologia de Radio Astronomia NAO, citadas por uma agência de informação chinesa, a ‘China Xinhua News’.

Será que daqui por uns tempos vamos poder noticiar que o FAST recebeu sinais de ‘aliens’?

LÊ TAMBÉM: As ondas gravitacionais não são um bicho de sete cabeças

SABIAS QUE?

– A localização do FAST não foi escolhida ao acaso. As montanhas vão funcionar como um escudo contra interferências de radiofrequência vindas de fora;

– Conhece-se por “primeira luz”, o momento em que um novo telescópio obtém as primeiras imagens do Universo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *