Como surgiu o dia das mentiras?

A culpa não é do Pinóquio, mas se puséssemos aqui a foto de um Papa não ias pensar em mentiras.

É exatamente o que a entrada dá a entender: o dia das mentiras começou por causa de um Papa. E se estás a pensar que já te estamos a pregar uma partida, vê a data deste artigo. Hoje ainda é dia 31 de março. Ou seja, não tínhamos desculpa.

A versão mais consensual sobre a origem do 1º de Abril, esse dia que é quase como o Carnaval, já que “ninguém leva a mal”, remonta ao século XVI.

Ainda que involuntariamente, é o Papa Gregório XIII quem está na origem desta brincadeira. Ele não mentiu, não cometeu pecado algum, mas a sua decisão (tomada em 1562) de reger o mundo cristão por um novo calendário fez com que muita gente peque sem peso na consciência no dia das mentiras.

O que se passou? Com a adoção do calendário gregoriano o início do ano mudou de data – para o 1 de janeiro, que ainda hoje assinalamos.

Até então, o fim-de-ano e o início de um ano novo estavam associados ao equinócio de Primavera. Festejava-se entre 25 de março e 1 de abril.

A França do rei Carlos IX tardou em seguir o decreto papal. Só em 1564, terá aceite o calendário instituído dois anos antes. Ainda assim, muitos franceses continuavam a ignorar janeiro e a festejar o Ano Novo em março.

Estes resistentes à mudança começaram a ser alvo de troça por parte dos defensores do novo calendário. Para os ridicularizar, pregavam-lhes partidas. E assim começava uma tradição que se viria a alastrar a outros países, dentro e fora da Europa.

Em França, o termo para o dia que amanhã se comemora é “Poisson d’avril”, tal como em Itália: “Pesce d’aprile”. Já no Reino Unido e nos Estados Unidos, o dia das mentiras é conhecido por “April fool’s day”.

Se estás sem ideias para pregares partidas amanhã, lê estes artigo e inspira-te: 5 ideias para o Dia das Mentiras e As melhores partidas do Dia das Mentiras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *