Ice Bike: uma bicicleta com o seu “quê” de patim

Apresentamos-te a Ice Bike, o novo membro da família das bicicletas, que está a ser um sucesso em Buffalo, nos Estados Unidos.

Não deve faltar muito tempo para que a Ice Bike deixe de ser um exclusivo da segunda maior cidade do estado de Nova Iorque.

Desde que se estrearam em Buffalo, antes do último Natal, o sucesso destas bicicletas preparadas para pedalar (ou será patinar?) no gelo tem sido muito. 

Lisa Florczak, a inventora da Ice Bike (na foto), já recebeu pedidos de várias partes dos Estados Unidos e do Canadá. Ao jornal The Chronicle Herald, Lisa confessou estar aliviada por não se ter tornado motivo de chacota pela sua criação, como chegou a recear. Quem diria.

ESQUECER O FRIO

A ideia deste novo passatempo de Inverno surgiu-lhe na sequência de um concurso de ideias para promover uma pista de gelo recém-inaugurada na cidade, nas margens do lago Erie.

Pediam-se atrações que desafiassem turistas e habitantes a usufruir daquele espaço no inverno. Por ali, as temperaturas abaixo de zero são frequentes, pelo que nem sempre é fácil convencer as pessoas a sairem para apanhar ar.

Lisa Florczak tem uma empresa de bicicletas aquáticas, que aluga durante os meses quentes para passeios pelo interminável lago de Buffalo. Bastou-lhe pensar numa versão para o frio do negócio que mantém no tempo quente para chegar à Ice Bike. Dito assim até parece simples, mas não foi. Foram precisos vários testes até chegar ao modelo final.

A estrutura da bicicleta para andar no gelo é robusta, foi pensada de modo a evitar quedas e não tem lâminas, como os patins, pois elas permitiriam alcançar grandes velocidades, pouco aconselháveis num espaço de lazer a partilhar com patinadores e praticantes de outras atividades de inverno. 

É SÓ PEDALAR

Para andar na Ice Bike nem sequer é preciso saber andar de bicicleta. Com apenas a roda traseira, e, no lugar da roda da frente, uma estrutura em aço inox, a questão do equilíbrio fica posta de parte. 

Conhecimentos de patinagem também não parecem fazer falta. Para travar, basta pedalar para trás.

Se por acaso fores a Buffalo nos próximos tempos (que bom era se fosse aqui ao lado), fica a saber que alugar uma bicicleta destas por meia hora custa aproximadamente dez euros. Em breve os adeptos desta nova forma de ciclismo deverão, também, poder adaptar as suas bicicletas a esta prática, comprando um kit especial.  

Nas redes sociais, os comentários de quem experimentou são muito positivos. Vão desde um “Como é que ainda não se tinha inventado uma bicicleta assim?” a “Nem parecia que estavam vinte graus abaixo de zero”. 

A invenção já serviu para uma sessão de fotografia de moda. Vê o vídeo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *