Violência no namoro: e tu, tens uma relação saudável?

Não há um instrumento para medir o estado de saúde de uma relação, mas há sinais que podem servir para fazer um bom diagnóstico.

No ano passado, em Portugal, houve 1549 casos de violência no namoro em contexto escolar.

As agressões físicas, como pontapés, empurrões e bofetadas, são apenas uma dimensão do problema.

Mas a violência no namoro pode ter outras causas, mais difíceis de identificar por não serem tão visíveis.

Fizemos duas listas, com dez ‘sintomas’ que podem indiciar se tens uma boa ou uma má relação.

CINCO COISAS QUE NÃO PODEM FALTAR NUM BOM RELACIONAMENTO:

1) BOA DISPOSIÇÃO

Estar com o teu namorado/a tem de ser sinónimo de alegria, diversão, com muitos risos e elogios à mistura.

2) AFETO

Um namorado/a que não é carinhoso/a não é namorado/a. Alguém que nos chame nomes, grite ou passe a vida a desvalorizar-nos, por mais que diga que nos ame e que é normal, não é.

3) RESPEITO

A pessoa com quem escolhemos andar não tem de ser a nossa alma gémea. A diferença até tem a sua piada (o ditado não diz que os opostos se atraem?), mas é bom que compreenda e respeite as nossas opiniões e gostos, por mais diferentes que sejam.

4) CONFIANÇA

Sem confiança é difícil que um namoro tenha pés para andar. Ela permite outros ingredientes, fundamentais para que uma história a dois funcione: liberdade e independência. Alguém que nos diga o que podemos ou não fazer, vigie cada passo que damos e ande a inspecionar o nosso telemóvel e o nossa conta de Facebook, não obrigada! E, depois, ter uma vida a dois é ótimo, mas sabendo que não temos de estar juntos a todas as horas. Estar sozinho de vez em quando e poder fazer programas sem o namorado/a também sabe bem.

5) CIÚME

Até passávamos bem sem ele, mas quando se está apaixonado/a é difícil escapar-lhe. É normal e até apimenta a relação, desde que não se traduza em nenhuma forma das que entram na lista seguinte.

CINCO SINAIS DE QUE PODES ESTAR COM A PESSOA ERRADA:

1) CONTROLO

Num namoro saudável, os dois elementos equilibram-se: as decisões e os programas são pensados em conjunto, o apoio é mútuo e cada um só faz aquilo de que tem vontade. Aquela coisa de um deixar ou não o outro fazer determinadas coisas não pode acontecer. Lá está, respeito e confiança não podem faltar.

2) AGRESSÃO 

Ainda há quem confunda agressão com amor e arranje mil e uma formas de justificar comportamentos que são injustificáveis. Medo, culpa, dor física ou psicológica, choro, insultos são ‘peças’ que, por mais volta que se lhes dê, nunca encaixam no puzzle de uma relação saudável.

3) SOLIDÃO

Se te sentes sozinho junto da tua cara-metade, algo não está a funcionar bem e vale a pena parar para pensar porquê. Há sempre ditados para tudo, mas aquele que diz “mais vale só do que mal acompanhado” é certeiro.

4) NEGAÇÃO

Ainda te lembras do que leste sobre a agressão? A negação é frequente acontecer quando há violência no namoro. O agressor vê muitas vezes os seus comportamentos como normais. Por sua vez, a vítima tende a negá-los, desvalorizando o efeito negativo que têm sobre si.

5) CONFLITO 

Os desentendimentos e as discussões são normais, o que não é normal é não saber resolvê-los com calma, através de um diálogo ou de uma negociação. Recorrer a violência física, verbal ou psicológica, fazendo ameaças ou proibições, é caso para mostrar de imediato o cartão vermelho.

A Associação Portuguesa de Apoio à Vítima tem um espaço on-line com tudo o que possas querer saber sobre as relações e a violência no namoro. Espreita aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *