Alguns robots da NASA vão ter pés e mãos de osga

O engenho pode facilitar a sua deslocação no exterior das naves e diminuir o lixo espacial.

Se já viste uma osga, de certeza já te interrogaste como consegue ela subir superfícies lisas sem qualquer dificuldade ou passear-se alegremente pelo teto sem cair.

O segredo reside num fenómeno conhecido por “forças de Van der Waals” e relaciona-se com as patas destes répteis, compostas por uma infinidade de minúsculos pêlos (foto abaixo), que lhe dão uma excecional capacidade de aderência às superfícies.

 

Como sempre acontece, a tecnologia permite ao homem ganhar poderes que não tem, imitando muitas vezes mecanismos observados na natureza.

Não estejas aí a pensar que, qual Super-Homem, vamos todos começar a subir paredes. Não seria mau, mas os cientistas quiseram imitar em laboratório as patas das osgas com outro fim: fixar objetos a superfícies com facilidade.

A Agência Espacial Norte-Americana trabalhou para conseguir imitar as patas destes animais, com um objetivo ainda mais específico.

Os ‘Gecko Grippers’ (‘gripper’ é pinça, ‘gecko’ é o nome dado às osgas em inglês) que criaram vão ser aplicados nos pés e mãos de robôs, de modo a que estes possam sair para o exterior das naves espaciais e fazer a inspeção e manutenção do equipamento, deslocando-se e parando nos pontos que entenderem, o tempo que for necessário.

Além disso, os ‘Gecko Grippers’ têm capacidade de manter-se “colados” às superfícies, mesmo carregando grandes pesos. Algo que anima os cientistas, que antecipam a possibilidade de os robots recolherem detritos espaciais, que colocam em risco as missões.

Depois de testar o material em Terra, a NASA está ansiosa por fazer o mesmo no Espaço, o que está para breve.

Os ‘Gecko Grippers’ estão já a caminho da Estação Espacial Internacional numa nave não tripulada que deixou a Terra ontem e deverá chegar ao destino no sábado com mantimentos (comida, água, roupa…) para os seis astronautas que lá estão a viver neste momento. 

Esta não será a única experiência científica a realizar nesta missão. A partir da Terra, a NASA vai provocar um incêndio na cápsula que leva os mantimentos (depois de feita a sua entrega) para perceber como se desenvolve um incêndio no Espaço. Por exemplo, como se propagam as chamas ou como resistem os materiais usados nas naves espaciais ao fogo num contexto de ausência de gravidade.

Os conhecimentos obtidos com esta experiência vão permitir tornar mais seguras as missões dos astronautas. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *