soFort Meade, MdPhoto date: 08-02-2016Photo by Nate PesceGeneva Yearwood, 17, left, and Rowland Smith, 18, wear Pokemon backpacks with their phones out playing Pokemon Go at the National Night Out. National Night Out at Fort Meade on McGlachlin Parade Field, August 2, 2016.

Em França, os Pokémon não vão à escola

Pelo menos os mais raros. A Ministra da Educação falou do jogo no discurso de abertura do ano letivo.

Em França, o ‘Pokémon Go’ virou assunto sério. Tão sério, que a Ministra da Educação francesa se referiu a ele na abertura do novo ano escolar. 

Najat Vallaud-Belkacem disse ter pedido uma reunião à ‘Niantic’ (que desenvolveu o jogo em parceria com a Nintendo e a ‘Pokémon Company’), para pedir que não sejam colocados Pokémon especiais dentro das escolas. 

A preocupação é maior do que possas pensar – não está apenas em causa o facto dos mais ferozes caçadores de Pokémon não se concentrarem nas aulas, mas também uma questão de segurança.

Com a ameaça terrorista a pairar sobre o país, a Ministra entendeu que o jogo poderia gerar problemas de segurança nas escolas. O receio maior é que, havendo Pokémon raros nos estabelecimentos de ensino, pessoas estranhas a eles se possam aproximar e tentar entrar nos recintos para caçar as figurinhas virtuais. 

Já há algum tempo que a empresa responsável pelo jogo prevê que a localização de Pokémon em determinados sítios possa gerar problemas e criou, no próprio site, uma área para pessoas ou instituições poderem submeter pedidos para que sejam removidos ‘Pokéstop’ ou ‘Gym’ de determinados locais.

Uma possibilidade surgida, talvez, depois de espaços como o museu do campo de concentração ‘Auschwitz-Birkenau’ se ter insurgido contra a presença de alguns Pokémon no local e de pessoas a caçarem-nos. 

 

De resto, o fim das férias e o regresso às aulas é certamente uma das razões apontadas para o decréscimo no número de jogadores de ‘Pokémon Go’. Em agosto, o jogo perdeu cerca de 15 milhões de utilizadores em todo o mundo. 

Apesar de tudo, o sucesso continua, alimentado até por novas possibilidades dadas aos jogadores (que podem agora, por exemplo, aceder a estatísticas de defesa e ataque para cada uma das figuras). 

E por falar em “alimentar”, sabias que já se podem comer “hambúrgueres Pokémon”? Fica um bocado distante de nós, mas pode. Uma hamburgaria de Sydney, na Austrália, fez hambúrgueres ‘Pikachu’, ‘Bulbasaur’ e ‘Charmander’, com as cores correspondentes, é claro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *