Atualidade 03 março 2015
Milhares de pessoas manifestaram-se em Moscovo em homenagem a Nemstov| Foto: Evgeniy Isaev / Creative Commons

Milhares prestaram homenagem ao opositor do governo russo, Boris Nemtsov, morto a tiro na sexta passada. 

O autor da fotografia deste artigo, Evgeniy Isaev, legendou-a da seguinte forma "Bullets in each of us" (balas em cada um de nós).

Será isso que se lê na faixa que encabeça uma manifestação de milhares de pessoas numa homenagem a Nemtsov, na capital da Rússia?

É provável que sim. Os manifestantes que se juntaram no sábado em Moscovo, e hoje no seu funeral, são, como Nemtsov, opositores do regime.

Para eles, este foi um assassinato político, feito com o intuito de calar não só Nemtsov mas todos aqueles que, como ele, têm uma visão contrária à do governo russo, intimidando-os.

Nemtsov opunha-se frequentemente às medidas tomadas pelo presidente russo Vladimir Putin. Antes de morrer, tinha dado uma entrevista garantindo que, ao contrário do que o governo afirmava, a Rússia estava a apoiar os separatistas na guerra na Ucrânia.

UMA IMPRENSA (POUCO) LIVRE

Vladimir Putin já veio dizer que nada tem a ver com o sucedido e que as autoridades vão investigar quem cometeu o crime. 

O governo russo, ao contrário dos opositores do regime, tenta passar a ideia de que este foi um assassinato cometido pelo ocidente, de modo a lançar o caos na Rússia e prejudicar a sua imagem.

O que leva muitas pessoas a culpar Putin é o facto de a Rússia punir, por vezes com penas de prisão, aqueles que se opõem às suas medidas políticas. 

Os opositores do regime queixam-se da falta de liberdade de expressão e acusam o governo de controlar a estação de televisão pública russa, usando-a para transmitir as mensagens que entendem à população, fazendo propaganda.

Este mês, a organização Repórteres sem Fronteiras publicou uma lista sobre a liberdade de imprensa no mundo em 2014. A Rússia surgia em 152º lugar entre 180 países (para teres uma ideia Portugal surge em 26º lugar; no topo da lista, como os países que mais respeitam a liberdade de imprensa, estão a Finlândia e a Suécia).

Nas últimas eleições presidenciais, em 2012, Putin foi eleito com mais de 60% dos votos.

e-max.it: your social media marketing partner
Voltar