Googleplex 2: onde no trabalho o céu é (literalmente) o limite

A sede futurista da empresa vai ter paredes e tetos de vidro. Será um enorme open space com estruturas flexíveis para acolher milhares de trabalhadores.

Já imaginaste trabalhar num espaço digno de um filme de ficção científica? Onde as paredes e os tetos são transparentes? Recheado de coberturas solares sobre caminhos pedonais e ciclovias, com vista para a baía de São Francisco? 

Desta realidade nascerá a nova sede da Google nos Estados Unidos. 

A empresa fundada por Larry Page e Sergei Brin está na mesma sede há 15 anos e pediu aos arquitetos Thomas Heatherwick e Bjarke Ingels para pensarem num novo espaço, mas na mesma localidade: Mountain View (Califórnia). 

EM PERMANENTE ADAPTAÇÃO

Confirmando-se, a sede da Google terá 230 mil metros quadrados novos para acolher mais de 12 mil e quinhentos trabalhadores, que se juntarão aos 20 mil atuais.

O projeto, conhecido como Googleplex 2, pretende demolir quatro dos edifícios da empresa e reconstruí-los totalmente para acomodar várias estruturas flexíveis e leves, em forma de blocos, que possam ser movidas para receber várias equipas de trabalho.

As coberturas vão ser translúcidas e as paredes de vidro ajudarão a tornar menos nítida a linha entre o espaço interior e exterior. Existirão ainda coberturas solares sobre caminhos pedonais e ciclovias, que ajudarão a produzir energia e abrigar as pessoas da chuva.

UM BAIRRO NOVO

Segundo explicou o gigante norte-americano no seu blogue oficial, a intenção é “acabar com a distinção entre os edifícios e a natureza”, pelo que as novas construções serão desenhadas de forma a permitir a entrada de ar fresco e luz natural.

O novo espaço irá ainda redirecionar os lugares de estacionamento para uma área subterrânea, transformando a atual garagem num jardim.

“A presença do Google em Mountain View é tão forte que não pode ser uma fortaleza que afasta a natureza e os seus vizinhos, queremos que seja mais um bairro da Mountain View”, explicou Ingels a um jornal norte-americano.

 Assim, a nova estrutura foi desenhada para integrar a comunidade local – um pouco como a estratégia digital da empresa – que ali poderá abrir restaurantes e outros comércios.

Joana Costa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *