Com as patas na prancha

Uns surfam sozinhos, outros partilham a prancha com o dono. Vê como foi a competição europeia de surf canino, em França.

Os cães norte-americanos já apanharam a onda há alguns anos. A Califórnia tem uma competição célebre de surf canino, que se realiza já desde 2006 – a ‘Loews Coronado Bay Resort Surf Dog Competition’.

Já a Europa parece estar ainda a começar a surfar esta onda. No último domingo, a localidade Vieux-Boucau-les-Bains, no sul de França, recebeu pela segunda vez o campeonato europeu de surf canino.

Houve quinze cães a mostrar o que de melhor sabem fazer em cima de uma prancha na Praia de Sablères. E o que eles sabem fazer – diga-se – é muito.

De focinho ao vento, surpreenderam com o tempo que conseguiram equilibra-se em cima de uma prancha… Sozinhos ou com os donos (as duas categorias a concurso).

Sem distinção de porte ou raça, disputaram os três primeiros lugares, cientes de que o prémio não era desprezível: três meses de ração gratuita.

Mas, pelo ar feliz dos bichos, dir-se-ia que, tal como verdadeiros surfistas, o que eles gostam mesmo é de sentir aquela comunhão plena com a natureza. Além, claro, da cumplicidade com os donos que o desporto praticado em conjunto proporciona.

Quinze foi só o número dos cães que estiveram a competir. A participar nas atividades de iniciação à modalidade houve o dobro. E humanos a assistir, delirantes, ao espetáculo, nem se fala.

A organização leva o evento bem a sério. Para participarem, todos os canídeos tiveram de sujeitar-se a testes veterinários no início e no final das provas e vestir um colete salva-vidas. Fato não, nenhum aparentava ter frio.

A iniciativa partiu de dois veterinários de Biarritz, Damien Médan e Jon de Odriozola, que recorreram ao ‘crowdfunding’ para levar o projeto a bom porto.

Ao site ‘sudouest.fr’, explicaram que tiveram vontade de experimentar quando souberam da competição de surf canino que se realiza anualmente na Califórnia.

Garantem que praticar surf faz bem aos cães e contam que já “prescreveram” o desporto a pacientes de quatro patas, sobretudo àqueles que têm problemas com articulações e, em particular, artroses.

Sabem que os cães com patas mais pequenas levam vantagem em questões de equilíbrio. Mas, aguentando-se em cima da tábua mais ou menos tempo, qualquer cão pode surfar, independentemente do porte.

Se quiseres ver mais fotos do evento deste ano e do ano passado, junta-te à página da associação que fundaram, a ‘Les Toutous Surfeurs’, no Facebook.

Deixamos-te com o vídeo que resume os melhores momentos da prova.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *